Arquivo da tag: ecommerce

Dica de negócio: Lojas virtuais para o público Gay ( GLSBT)!

http://wp.me/pAmEk-5h (shortlink – Espalhe!)

Você sabia que o Rio de Janeiro esta concorrendo para ser o destino Gay do mundo?

Rio concorre com Buenos Aires, Barcelona, Sidney, Montreal e Londres.

bandeira_gay_ipanema

Foto: Liana Leite/G1

O vencedor será anunciado no dia 2 de novembro, durante a 10ª Conferência de Turismo. A votação pode ser feita pelo site www.tripoutgaytravel.com/awards.

O mercado GLS está em alta. Tem estado presente em rodas de discussões, teses e dissertações de mestrado, palestras e outros eventos que vem acontecendo nos últimos anos. Empresas grandes têm mostrado preocupação em atender de maneira mais direta e precisa este nicho de mercado no país. Grupos gays dentro de empresas já são uma realidade, exemplo da IBM, praticamente uma das precursoras no Brasil em aceitar, respeitar e promover a visibilidade de seus funcionários gays.
Mas o segmento destinado ao público GLS no Brasil é relativamente novo e tem muito a evoluir. Os seus resultados ainda não podem ser comparados com os de outros países que investem a mais tempo neste nicho, como os norte americanos que tem sido um dos grandes referenciais para este mercado.

bureau negocios gay site  de Buenos Aires com informações sobre feiras, palestras e profissionais orientados ao segmento GLBT.

http://www.gaybrasil.com.br/index.php?page=quem-somos

Vamos aos números:

  • 18 milhões de brasileiros são gays, 10% da população;
  • Gastam 30% a mais em bens de consumo que os héteros;
  • 40% estão em SP, 14% no RJ, 8% em MG e 8% no RS;
  • 36% são da classe A, 47% da classe B e 16% da classe C;
  • 57% têm nível superior, enquanto apenas 14% da população adulta de SP têm essa escolaridade;
  • 69% já assumiram sua preferência sexual;
  • 52% assumem para amigos, 14% para o chefe do trabalho e 9% para a família;
  • 3,5 milhões de pessoas foram à Parada Gay  2009 em SP, que é a maior do mundo;

As Empresas começam a voltar seus olhos, estudos e investimentos para esse mercado, que tem grande perspectiva de crescimento, atingindo consumidores exigentes, bem informados e que pagam bem por um bom produto ou serviço, fidelizando desta maneira, qualquer marca que consiga comunicar-se diretamente com ele, atendendo a suas necessidades e desejos.

No que tange a negócios virtuais parece que os empreendedores não estão enxergando esse imenso mercado.

Tecnisa adota postura gay friendlyGLS7

Empresa dá tratamento personalizado à comunidade GLBT. Um Consultor foi contratado e treina os funcionários para o trato com o público gay.

A comunidade GLBT é um público-alvo interessante para produtos de consumo e serviços diversos. É exigente, sofisticado e costuma gastar mais. Setores, como a construção civil, também atentam para as exigências deste nicho. A Tecnisa é uma das pioneiras no comportamento gay friendly no Brasil, postura nova no país, mas que já é adotada por muitas empresas internacionalmente.

Segundo Romeo Busarello, diretor de marketing da Tecnisa, o público GLBT tem mais sensibilidade e percepção, e é altamente exigente. Muitas tendências se iniciam neste nicho e são incorporadas por outros grupos. Ter postura gay friendly é aceitar a diferença, ser tolerante e, claro, aproveitar os benefícios deste comportamento”.

Na construção civil, uma das tendências mais adotadas pelo público gay é a customização dos apartamentos. Cômodos como banheiro recebiam diferenciais “comuns” como banheira e hoje contam com duchas higiênicas, decoração personalizada e espelhos maiores. “Um simples lavabo pode virar um espaço de luxo”, diz Busarello. “O espaço acaba sendo mais valorizado. Salas de estar também são bem trabalhadas – é aquela vontade de ficar em casa e receber os amigos ao invés de sair”.

A comunidade GLBT gasta cerca de 20% a mais com customizações nos apartamentos comprados. “Todos propõem mudanças quando adquirem um apartamento da construtora”, afirma Busarello

Até tu Levi´slevis gay
A Levi’s de olho no público gay em sua mais nova campanha da linha de jeans 501 lançou um comercial, que está sendo veiculado na rede online Logo, da MTV – canal dedicado à comunidade homossexual. O que torna esse novo comercial interessante é que  inclui dois aspectos interligados: o primeiro – a verba para a campanha publicitária era muito restrita; e o segundo é que o objetivo do novo anúncio é atingir os públicos heterossexual e homossexual. Resultado: o mesmo ator principal flerta e sai com uma mulher,  e na versão dedicada ao público gay, ele flerta com um fofo loiro com o qual sai andando pelas ruas.

Muito bem, e onde comprar e se produzir de forma gay?

Garimpando muito encontrei a loja virtual : www.bubustore.com.br

A bubu store surgiu em comemoração aos 5 anos da famosa casa noturna Bubu Lounge ( alias, não em lugar melhor pra “mulherada” dançar ) A casa localizada em Pinheiros (zona oeste de São Paulo) foi a mais votada entre os clubes gays de São Paulo, no especial Melhores de 2008 do Guia da Folha.bubu

Com o nome Bubu Wear, a grife oferece camisetas e acessórios exclusivos com a etiqueta da marca.

Lojas virtuais para o público GLSBT

Os comércios virtuais dedicados ao público Gay ainda são muito tímidos no Brasil, praticamente não existem. É um vasto território para ser desbravado.

Essa a minha dica de negocio virtual do mês ( anote é sucesso certo!)  : Lojas virtuais para o público GLSBT!

O público Gay tem poucas opções para compra de moda on-line, segundo o blog HTTP://baugay.blogspot.com é muito difícil compor um visual.

http://baugay.blogspot.com/2009/06/moda-gay-hetero-bissexual-e-de-tudo-um.html

Segundo o blog ( lindo por sinal ) HTTP:///revistagay2.blogs..sapo.pt

As marcas D&G , Salsa Jeans , Adidas , All Star , Oakley. São marcas eleitas pelo público gay. Também as Pulseiras de Cabedal e alguns aneis são considerados gays.

Já pensou um outlet virtual com essas marcas , preços bons e dedicado ao público gay?

Olha heim…essa dica da E-commerce Girl é campeã! Invista e seja um sucesso!

5 Comentários

Arquivado em Dicas E-commerce Girl

Pernambucanas.com.br Morreu! Você Sabia?

Sempre gosto de contar cases de sucesso de e-commerce; e eu conheço vários!

Mas, é preciso analisar a morte súbita de algumas lojas virtuais famosas, aprender com os erros e não repeti-los jamais!

Pernambucanas.com.br morreu na última sexta feira, ou seja a loja online foi tirada do ar.

Leiam o ótimo artigo escrito por Thiago F. Gomes em www.ecommercebrasil.org.

Morreu porque? qual a causa mortis? Convido quem souber explicar porque um e-commerce tão bacana acabou a escrever umpernanbucanas post aqui.

Pelo que se sabe, e acredito em e-commerce todo mundo sabe de tudo, a pernambucanas.com.br estava a dois anos no ar, e tinha um tráfego muito bom e por vezes encostando nos arquiinimigos  comprafacil.com, magazineluiza.com.br, pontofrio.com.br.

Conta-se no meio que a administração mudou ( e quantas vezes já ouvimos essa história de mudança de gestão??)

Nãoexiste nenhum comunicado oficial sobre a descontinuidade dos serviços apenas um aviso dizendo que os pedidos já feitos serão honrados.

Assim como no comércio offline quando uma loja pára de funcionar prega-se um papel na porta dizendo :  Encerramos atividades, obrigada por ter sido nosso Cliente! eu  espera algo do tipo da Pernambucanas.

Segundo o próprio site institucional da Empresa a Casas Pernambucas completou 100 anos de existência, e é mais uma história de sucesso de uma empresa familiar que se reinventou de tempos em tempos.

Entrar para o e-commerce seria algo quase  ERGONÔMICO ( disciplina científica relacionada ao entendimento das interações entre seres humanos e outros elementos de um sistema, e também é a profissão que aplica teoria, princípios, dados e métodos para projetar a fim de otimizar o bem-estar humano e o desempenho geral de um sistema. Esta é a definição adotada pela Associação Internacional de Ergonomia (International Ergonomics Association – IEA ) Wikipédia

As Pernambucas tem mais de 15.000 funcionários espalhados em suas unidades, e parte deles da divisão de e-commerce agora não fazem mais parte da familia Pernambucanas.

A verdade é que:

Para gerir e-commerce é preciso ter experiência, vivência,  é preciso profissionalizar a operação ( e a Pernambucanas estava indo muito bem nesse quesito ),mas  na mudança da gestão algo ficou perdido, e alguém não entendeu o que era “esse negócio de internet” – quem é dá área já viveu essa história algumas vezes, e uma história vitoriosa do mundo on-line acabou.

As lições aprendidas são:

  • Antes de montar seu e-commerce , Saiba onde quer chegar! O que você quer ser, e trace o caminho.
  • Planeje, planeje, planeje, incansavelmente :Vou citar Abraham  Lincoln “Se eu tivesse oito horas para derrubar uma árvore, passaria seis afiando meu machado.” 
  • Profissionalize o time , pequeno ou grande, não importa, entenda o tráfego, analise a audiência do seu site, entenda o que o cliente te diz.
  • Capriche, seja elegante, tenha uma e-loja limpa com imagens de alta qualidade, deixe o cliente ver o produto e acredite > ele vai comprar!

Ainda quero contar aqui muitos casos de sucesso em e-commerce!

10 Comentários

Arquivado em Uncategorized